Grupo religioso pede que Brahma deixe de ser marca de cerveja

Publicidade
Em virtude de Brahma ser uma divindade Hindu, um grupo de religiosos iniciou uma campanha para que a AB InBev troque o nome da marca de cerveja

Um grupo de pessoas de diferentes origens religiosas iniciou uma campanha para que a AB InBev – empresa internacional dona da Ambev – para retirar a marca Brahma de seu portfólio de cervejas, devido este ser o nome de um deus Hindu

O grupo inclui representantes cristãos, budistas, judeus e hindus fez uma solicitação a gigante do mercado de bebidas para que renomeie a cerveja que tem como o seu principal mercado o Brasil de acordo com publicação do jornal americano The Washington Post.

Publicidade

A Brahma é uma das 10 mais valiosas marcas de cerveja do mundo de acordo com a avaliação da empresa Brand Finance publicada no ano passado, estando na primeira posição entre as brasileiras, sendo seguida pela Skol.

A marca foi criada em 1888 pela Companhia Cervejeira Brahma e é uma das que está na origem da formação da Ambev no final do anos 1990 que nas décadas seguintes através de fusões e aquisições se tornou um conglomerado mundial, presente em todos os continentes e com sede na Bélgica.


Leia mais:

O novo mercado da cerveja sem álcool começou a chegar ao Brasil em 2019


Canais de distribuição do mercado de cerveja estão sendo reconfigurados


A marca tem recebido nos últimos anos uma extensão de sua linha formando a chamada “família Brahma” que é composta por uma variedade de produtos com o objetivo de contribuir para a estratégia de portfólio da gigante

A Ambev num comunicado oficial declarou que a marca recebeu este nome como uma homenagem a Joseph Bramah, um inglês que foi responsável pela invenção da válvula para o sistema de chope. A ordem das letras foi reposicionada para que soasse melhor em português, não tendo nenhuma relação com a divindade hindu.

O responsável pela comunicação da Ambev adicionalmente declarou ao The Washington Post que a empresa respeita todas as religiões e suas respectivas histórias.

Mesmo assim o grupo que questiona o uso do nome contesta que ainda que sem intenção a utilização da mesma grafia numa marca de cerveja é algo ofensivo para a comunidade hindu e que seria um sinal de respeito a renomeação da marca.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas