“Vai demorar até 2022 para as cervejas artesanais recuperarem seu antigo patamar” declara Brewers Association

Publicidade
Visão de recuperação do cenário da cerveja artesanal nos EUA vai demorar até 2022 numa análise da Brewers Association

A Brewers Association, entidade sem fins lucrativos que promove e protege os interesses dos cervejeiros artesanais independentes dos EUA, publicou em suas análises uma visão bastante conservadora sobre as perspectivas do mercado de cerveja artesanal para 2021.

O economista-chefe da associação, Bart Watson, explorou em sua análise sobre o cenário para o presente ano da cerveja artesanal norte-americana algumas visões fundamentadas em dados obtidos pela instituição.

Continua após a Publicidade

Um grande impacto para cervejarias artesanais independentes dos Estados Unidos, e também de todo o mundo, foram a intermitência de funcionamento e os fechamentos definitivos de estabelecimentos de venda direta para o consumidor como bares e restaurantes devido aos efeitos da pandemia da covid-19.

No caso específico norte-americano, isso foi agravado pelo fato da maior parte das mais de oito mil cervejarias artesanais independentes do EUA se fundamentarem no modelo de brewpub ou taproom, o que levou a esses negócios buscarem readaptações profundas para se manterem vivos nos últimos meses.


Leia mais:

Lagunitas lança sua primeira IPA sem álcool


O que esperar do mercado de cerveja em 2021


“Para 2021, meus modelos estão mostrando um crescimento de 6-7% em relação a 2020, mas os níveis de produção ainda estão abaixo do ano de 2019, o que significa que vai demorar até 2022 para as cervejas artesanais recuperarem seu antigo patamar e mais tempo para retornar totalmente à tendência de crescimento que tinha seguido de 3-4% de volume ao ano anteriormente” declarou Watson em sua publicação.

Um dos direcionadores mais importantes, destacados por Watson, que influenciam neste tempo de recuperação é que uma pesquisa realizada pela própria Brewers Association sobre perspectiva de retorno de consumidores aos canais de venda chamados de on-trade, formados por locais onde a venda é realizada diretamente no balcão como bares, restaurantes, brewpubs e taprooms.

Uma parcela de um quinto dos consumidores respondeu a pesquisa que não pretende retornar a estes locais até que uma vacina ou tratamento eficiente para o novo coronavírus esteja disponível para eles.

“A maior razão pela qual a recuperação total é improvável em breve? Cerca de um quinto dos consumidores on-trade estão esperando por uma vacina ou tratamento antes de retornar ao local (fonte: pesquisa da Brewers Association junto a Nielsen CGA). Por esse motivo, parece difícil acreditar que haverá qualquer recuperação significativa até o final do segundo trimestre, no mínimo” comenta Watson.

Este efeito sobre os hábitos de consumidores de cervejas artesanais no on-trade combinado com as novas configurações que o mercado de cerveja tem apresentado nos Estados Unidos, algo que a Catalisi explorou analogamente no mercado brasileiro em publicação no meio do ano passado, indica que em 2021 se sairão melhores as cervejarias que tem se adaptado mais eficientemente a estas condições nos últimos meses.

As perspectivas de contabilização do número de aberturas de cervejarias nos EUA em 2020 para BA é de 700 unidades, uma tendência de crescimento bastante abaixo dos últimos anos, enquanto o número de fechamento de cervejarias está ao redor de 300. Algo surpreendentemente positivo para Watson, porém o analista mantém os pés no chão.

“Temo que 2021 seja um ano em que o número de fechamentos corresponda mais de perto à realidade atual do mercado, e veremos o número de fechamentos de cervejarias aumentarem drasticamente. Não devemos confundir a falta de morte de negócios com a saúde dos negócios.”

Nós próximos meses a Brewers Association deve publicar os números oficiais referentes a volume de produção, abertura e fechamento de cervejarias artesanais independentes no maior mercado do mundo que é os Estados Unidos.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas