Venda de latas bate recorde e fatura R$ 17,5 bilhões em 2020

Publicidade
Vendas de latas de alumínio para bebidas cresce 7,3% em 2020 confirmando expansão durante a crise da pandemia

Num ano de queda para a atividade industrial no Brasil de 4,5%, devido aos impactos provocados pela pandemia do novo coronavírus, a indústria de latas de alumínio para bebidas caminhou na direção contrária registrando crescimento em 2020.

Mesmo ficando abaixo do crescimento no ano anterior, onde obteve mais de 13% de expansão, o resultado obtido pela indústria das latas de alumínio em 2020, crescendo 7,3%, confirma tendência de mudanças de hábitos do consumidor onde as latas se beneficiaram da maior conveniência para o consumo em casa e para o transporte em vendas através de e-commerce.

Continua após a Publicidade

Num ano de pandemia, de mercado instável e com várias dificuldades, a indústria de latas de alumínio alcançou um total de 32 bilhões de latas comercializadas, um recorde, com faturamento bruto de R$ 17,5 bilhões.

A pandemia mudou o perfil de consumo das bebidas, fazendo com que as pessoas consumissem mais em casa, principalmente no mercado de cerveja, favorecendo o resultado positivo obtido pelo setor.


Leia mais:

Lagunitas lança sua primeira IPA sem álcool


O que esperar do mercado de cerveja em 2021


Os dados foram divulgados pela Associação Brasileira de Produtores de Latas de Alumínio (Abralatas) que representa os grupos presentes no setor de fabricação de latas no Brasil: Ardagh, Ball, CanPack Brasil e Crown Embalagens.

Em virtude do crescimento sequencial ao longo dos últimos anos, o setor encontra-se em plena expansão. Em 2020, duas novas fábricas foram inauguradas e a ampliação de linhas de produção já existentes resultaram em investimentos de cerca de R$ 1 bilhão. Atualmente o Brasil é o terceiro maior mercado consumidor da lata de alumínio, atrás da China e dos EUA.

O setor continuará investindo no país buscando suprir um mercado que, devido a pandemia, aumentou sua demanda por embalagens. Em 2021, três novas fábricas serão inauguradas e o investimento será de R$ 2 bilhões.

“Hoje, o consumidor busca embalagens sustentáveis, busca conveniência, uma vez que a embalagem gela mais rápido; ocupa menos lugar na geladeira e não quebra; e, por fim, quer um mix de produtos e tamanhos. Atualmente, há até cachaça e água em lata. E é claro, muita cerveja”, afirmou Cátilo Cândido, presidente executivo da Abralatas em declaração ao site Metrópoles.

Com o aumento do consumo da bebida em latas em 2020 o mercado de cerveja no Brasil passou a obter um novo na utilização da embalagem passando de 55% em 2019 para 70% em 2020 de acordo com a associação. Esse fenômeno se deve principalmente a migração de parte do consumo de bares e restaurantes para compra de cervejas em supermercados, onde a lata ganhou maior espaço.

Era esperado que este crescimento ocorresse ao longo de cinco anos, mas com o impacto da pandemia a tendência se acelerou e a meta foi alcançada nos últimos 12 meses.


Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas