Sour de caju da cervejaria baiana Proa é eleita a melhor cerveja do mundo na categoria flavour wild & sour beer

Publicidade
Cerveja sour com caju da baiana Proa Cervejaria ganha premiação internacional como melhor Flavoured Wild & Sour Beer do mundo

Press Release

A Proa Cervejaria, de Lauro de Freitas, na Bahia, foi premiada na 16ª edição do World Beer Awards (WBA), realizada em Londres, na Inglaterra. A Sour de Caju, da marca, ganhou a medalha de ouro na categoria Flavoured Wild & Sour Beer, que reúne cervejas com sabores ácidos e frutados.

A Sour de Caju é uma cerveja ácida e refrescante, utiliza ingredientes locais que traduzem a alma baiana além de adicionar a suculência e aroma da fruta que é encontrada com facilidade na feira de São Joaquim em Salvador (BA).

Continua após a Publicidade

Com baixa retenção de espuma e características que lembram um espumante, é uma cerveja de baixa caloria com teor alcoólico também baixo e o amargor imperceptível. Perfeita para harmonizar com peixes, frutos do mar ou comidas baianas.

A sócia-proprietária e mestre cervejeira da Proa, Débora Lehnen, conta que a empresa foi fundada em 2017, mas sua história começou em 2014, quando ela veio do Rio Grande do Sul morar na Bahia e passou a produzir cerveja em casa, para consumo próprio.


Leia mais:

Projeto Manipueira 21 cervejas com uso de mandioca na busca de terroir brasileiro são lançadas


O que esperar do mercado de cerveja em 2023


“É uma alegria muito grande para nós receber esse prêmio. É um reconhecimento do nosso trabalho e da qualidade da nossa cerveja”, disse Débora.

O World Beer Awards é um dos maiores concursos de cerveja do mundo. Em 2023, foram inscritas mais de 12 mil cervejas de 60 países.

Sobre a Proa

A fábrica da Proa tem uma tiragem mensal de 18 mil litros de cerveja. As bebidas da marca são distribuídas em 180 pontos do estado, entre eles o próprio bar da Proa e em hotéis, restaurantes e supermercados.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação Tecnológica pela EQ/UFRJ e analista do mercado de cervejas.