Heineken amarga prejuízo de R$ 1,3 bilhão e anuncia 8 mil demissões

Publicidade
Heineken publica seu resultado anual global com prejuízo milionário e comunica reestruturação com corte de pessoal

Os impactos da pandemia sobre o negócio da Heineken causaram um prejuízo milionário em 2020, revelado esta semana através da publicação do resultado anual da multinacional na Holanda.

A Heineken, que é a segunda maior cervejaria do mundo, apurou um prejuízo líquido de 247 milhões de dólares (equivalente no câmbio atual a R$ 1,3 bilhão) em 2020, revertendo lucro de R$ 14,2 bilhões apurado em 2019.

Continua após a Publicidade

O faturamento líquido da companhia caiu para 19,72 bilhões de euros (R$ 129 bilhões), ante 23,97 bilhões de euros (R$ 156,8 bilhões) obtidos em 2019.

O volume de vendas apresentou um declínio anual de 8,1%, sendo que especificamente a marca de cerveja Heineken apresentou queda de 0,4% em 2020 contra 2019.


Leia mais:

Lagunitas lança sua primeira IPA sem álcool


O que esperar do mercado de cerveja em 2021


“Irá levar tempo para que saiamos da pandemia. Não estaremos seguros antes de estarmos todos seguros. Países desenvolvidos da América do Norte, Europa e alguns de regiões da Ásia provavelmente irão sair da pandemia em breve, quem sabe até o fim do ano. Mas vai levar mais tempo até que o mundo todo esteja vacinado até um determinado nível” declarou o CEO da Heineken Dolf van den Brink em entrevista a CNBC.

A pandemia teve impacto direto sobre os resultados da Heineken devido ao período de restrições e fechamentos em diversos países, sendo estes os canais onde se encontram as maiores margens de lucros da empresa. Com isso as vendas das marcas da companhia ganharam maior redirecionamento para o varejo onde as margens são mais apertadas.

A empresa apresenta uma visão conservadora sobre a recuperação de seu negócio nos próximos anos. Em 2021 a expectativa é que seus resultados ainda estejam abaixo do ano de 2019, com uma recuperação acima do período pré-pandemia ocorrendo apenas em 2023.

“Neste ano de 2021 nós não esperamos conseguir voltar aos níveis de lucro pré-pandemia, como eu disse nós ainda estamos sendo afetados” complementou o CEO da Heineken durante a entrevista.

O Brasil, maior mercado da Heineken no mundo correspondendo a cerca de 15% da vendas da multinacional, foi citado algumas vezes no Relatório de Resultados anual de 2020 da empresa com destaque para crescimento de dois dígitos do seu portfólio premium e mainstream.

Outro destaque ficou por conta do crescimento no Brasil do rótulo Heineken 0.0, a versão sem álcool da cerveja carro-chefe da empresa. O lançamento atingiu crescimento de 40% e o país já é o terceiro maior em vendas no mundo desta cerveja.

Plano de recuperação da Heineken prevê corte de 8 mil empregos

A empresa disse que produzirá 2 bilhões de euros (US $ 2,42 bilhões) de economia bruta redesenhando sua organização para torná-la mais eficiente e eficaz, reduzir a complexidade e o número de seus produtos e identificar seus gastos menos eficazes.

Parte da iniciativa de economia inclui a eliminação de cerca de 8.000 empregos na multinacional em todo o mundo nos próximos anos. “Estamos tristes por ter que fazer esta intervenção. Nós adiamos o máximo que podíamos.” declarou o CEO da holandesa à CNBC.

A estratégia de portfólio da empresa focará nos seus produtos premium, onde a Heineken acredita estar sua maior força com destaque para a marca Heineken que alcançou crescimento de dois dígitos em 2020 em 25 países, em parte devido a introdução da Heineken 0.0.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas