Espírito Santo ganha projeto para produção comercial de lúpulos

Publicidade
A Hopfenbüge, localizada na cidade de Domingos Martins, é o primeiro campo de lúpulos totalmente certificado do Espírito Santo.

Projetos de plantio de lúpulo com objetivo comercial começam a surgir pelo Brasil, encarando o desafio de desenvolver uma cultura agrícola complexa e totalmente nova para o país.

No Espírito Santo a primeira empresa a investir na produção comercial de lúpulos é a Hopfenbüge, localizada em Domingos Martins, distante cerca de 42 km da capital Vitória.

Publicidade

A produção de lúpulo destinada a comercialização interna ou externa requer a utilização de mudas certificadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), processo executado mediante controle de qualidade em todas as etapas do seu ciclo, incluindo o conhecimento da origem genética e o controle de gerações, que asseguram a rastreabilidade do lote.

A Hopfenbüge adquiriu suas mudas certificadas com a lúpulos Ninkasi, responsável por um trabalho relevante de certificação de mudas e homologação de variedades nacionais.


Leia mais:

Empreendedoras do Rio dão início a trajetória comercial do lúpulo brasileiro


Banco do Brasil abre linha de crédito de R$ 600 milhões para cultivo de lúpulo no estado do Rio


As mudas adquiridas pelo projeto do Espírito Santo já passaram por uma etapa de adaptação, chamada de tropicalização, que adéqua as mesmas as condições de clima e solo mais comuns no país.

Até o início do plantio, ocorrido no ano passado, foram transcorridos 2 anos de pesquisa sobre informações técnicas e experiências nacionais sobre o assunto.

“Li muito conteúdo técnico até encontrar cultivos no sul do país, dali em diante começamos a organizar a parte financeira. Quando o viveiro que desejava adquirir as mudas finalmente conseguiu o registro no MAPA fizemos nosso pedido e começamos a preparar o terreno”, comenta Rovena Frossard uma das sócias da Hopfenbüge.

As condições encontradas em Domingos Martins foram consideradas adequadas para o plantio com uma reserva de mata atlântica que forma uma barreira natural de proteção para as estruturas de 6 metros que dão suporte ao desenvolvimento das plantas.

A primeira colheita do campo deverá ocorrer em abril deste ano, é esperado um rendimento de cada muda nesta fase inicial de 0,5 a 1 Kg de lúpulo. Devem ocorrer de 2 a 3 colheitas entre setembro e maio, de acordo com experiências de outros produtores no Brasil. De junho a agosto no geral as plantas têm entrado em dormência.

“Nosso objetivo é ter toda a fazenda voltada pro lúpulo, temos 13 hectares de terra. Mas por ser nas montanhas ainda temos que avaliar o relevo. No momento destinamos 1000 m² onde prevemos expandir de 200 pra 500 plantas esse ano” comenta Rovena.

De acordo com a sócia do Hopfenbüge a qualidade das mudas certificadas adquiridas são visíveis no plantio. “O manejo em si é simples, o que dificulta é a altura de 6 metros necessária da estrutura, então a mão de obra é complicada. Digo que estamos todos em treinamento, todos colocam a mão na massa, literalmente. É mais uma questão de adaptação do q dificuldade”.

As variedades escolhidas de início na plantação são Cascade, Saaz e Centennial e receberão uma produção de lote teste de cerveja com a utilização do lúpulo fresco em parceria com a cervejaria Barba Ruiva, também localizada em Domingo Martins.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas