Lúpulo brasileiro inicia a sua trajetória comercial através de empreendedoras do Rio

Empreendedoras responsáveis pela lúpulos Ninkasi, da região serrana do Rio de Janeiro são as primeiras a comercializar espécies de lúpulos brasileiros com autorização do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

Viveiro de Teresópolis é o primeiro do país a ter autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para produção e comercialização de mudas de lúpulos brasileiros.

O mercado da cultura do lúpulo brasileiro e o uso do seu produto no país deram um grande passo em novembro de 2018.

O Viveiro Ninkasi, de Teresópolis, região serrana do Rio de Janeiro, se tornou o primeiro no Brasil a ter autorização do MAPA para produção e comercialização de cinco variedades de mudas de lúpulo no país (mudas estas que cumpriram todo o processo de registro no RENASEM/MAPA visando garantir a identidade do material propagativo e seus atributos de qualidade para uma produção sustentável).

O lúpulo é um vegetal originário do Hemisfério Norte onde a baixa temperatura e a incidência solar são propícias à cultura. Sua adaptação ao clima do Brasil é bastante difícil, principalmente por nossa latitude ser baixa. Logo seu desenvolvimento em terras brasileiras requer cuidados e dedicação adicionais, sendo o sucesso desta empreitada fundamental para a indústria cervejeira nacional.

Para isso, o Viveiro Ninkasi, de Teresa Yoshiko e sua família, se dedicou à produção de mudas de cinco cultivares, entre elas, americanas, inglesa e alemã. Segundo Teresa, para que o viveiro conseguisse essa tão sonhada primeira autorização do ministério para produção e comercialização legal foi necessário um alto investimento em estrutura e equipamentos com know how de produção de mudas.

“Conheci a planta há dois anos e, desde então, tenho pesquisado. Me apaixonei pela cultura do lúpulo e, durante um ano foi só estudo , conhecimento e planejamento. Só depois iniciei a parte de construção do viveiro. Comecei minha carreira há 26 anos e, sendo produtora de mudas, usei todo o meu conhecimento para conseguir mudas de lúpulo de qualidade. A tecnologia usada no viveiro é inédita no mundo e sabemos de nossa responsabilidade de garantir a qualidade inicial. Daqui depende todo o sucesso da produção. Tenho ciência de que se conseguir isso, estou garantindo o sucesso de uma nova matriz agrícola para o meu estado”, explicou Teresa.

Leia também: Infográfico: Brasil atinge marcade 1000 cervejarias

Todo o trabalho de pesquisa e produção no Viveiro Ninkasi nos últimos meses foi pensado para se obter qualidade e valor de mercado nas mudas de lúpulo. Ana Claudia Pampillon, é responsável pela parte de comercialização da Ninkasi. Ela auxilia Teresa Yoshiko conversando com o mercado e buscando para os produtores a colocação perfeita para suas produções.

“O produtor é parte fundamental para o fomento da cultura nesse momento. É de extrema importância a aproximação das cervejarias com os produtores para que a sinergia entre essas duas pontas possa fomentar a economia dessas regiões onde serão implantadas essas fazendas. Esse é o meu papel: pegar na mão dos produtores e das cervejarias para que eles caminhem e cresçam de maneira organizada”, declara Ana.

Paralelos entre o desenvolvimento do lúpulo brasileiro e do norte-americano.

O início da história do lúpulo brasileiro encontra semelhanças com o desenvolvimento da indústria do lúpulo americano. Variedades como o hoje famoso Cascade foram fruto de investimentos de agências governamentais americanas no início dos anos 1960, encontrando comercialidade apenas nos anos 1970 e conferindo ao mercado americano de cervejas uma assinatura sensorial que posteriormente se espalharia pelo mundo.

Leia também: Banco do Brasil abre linha de crédito de R$ 600 milhões para cultivo lúpulo no estado do Rio

Tal como lá, um pouco de incredulidade no início tem feito parte parte do processo de desenvolvimento dos lúpulos brasileiros, devido principalmente a história secular dos lúpulos europeus que são a matriz da utilização comercial de lúpulos no mundo e tidos como referência para a indústria.

“Alguns mestres cervejeiros mais antigos, ao ouvir falar de lúpulos brasileiros, ficam um pouco incrédulos no início, mas após conhecer o nosso lúpulo e todo o seu desenvolvimento acabam ficando encantados” diz Ana.

A tropicalização do lúpulo brasileiro será a chave do sucesso

A autorização do MAPA para produção e comercialização de mudas conferida ao Viveiro Ninkasi significa uma nova oportunidade para as cervejarias do país: a produção de cervejas com lúpulos legalizados e tropicalizados.

O processo de tropicalização destas culturas leva tempo, e seu desenvolvimento levará a espécies cada vez mais adaptadas e mais produtivas. Atualmente cada muda plantada têm rendido 250 gramas de lúpulo. O projeto da Ninkasi foi iniciado com o plantio de mudas em 7 fazendas.

“A tropicalização destas espécies requer tempo e para o sucesso do plantio é fundamental a gestão correta da plantação, já vimos casos de insucesso devido a deficiências neste processo. O aprendizado a partir da experimentação decorrente do trabalho inicial realizado têm sido muito importante para adaptarmos o conhecimento existente a nossa realidade de clima e solo” declara Ana.

Leia também: 5 motivos para explicar porque a cerveja artesanal não é uma moda passageira

Sobre as características sensoriais do vegetal Ana comenta da singularidade do terroir das variedades nacionais. “Nosso lúpulo adquire características de culturas com produções adjacentes a ele, já verificamos isso com manga e goiaba por exemplo”.

Neste sentido, a produção do Viveiro Ninkasi vai abrir possibilidades até então inexistentes para as cervejarias brasileiras, que poderão utilizar lúpulo fresco e em flor legalizados. Hoje, o produto importado geralmente é de safras antigas e costuma chegar beneficiado em formato de pellet.

A Ninkasi é a primeira empresa autorizada a vender mudas com garantia de procedência e das características do lúpulo produzido como o “Cascade Brasileiro”. “Isso é o fruto de um trabalho extenso com uma série de visitas que a Teresa fez ao MAPA em Brasília ao longo de 2 anos” finaliza Ana.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Analista de comercialização e logística, sommelier e especialista em marketing de cerveja.