Ambev registra queda de 15% em lucro líquido no 2º Tri 2023

Publicidade
Lucro da Ambev cai no segundo trimestre, mas companhia apresenta avanço na receita durante o mesmo período

Ambev vê seu lucro do segundo trimestre de 2023 cair em comparação a igual período do ano anterior apesar do avanço em receita que tem sido guiado pela ampliação em vendas do segmento premium de seu portfólio.

A tendência de desaceleração de custos projeta melhores margens para a Ambev em 2023, porém o desafio da empresa será não apresentar grandes recuos no volume de vendas que conta com uma referência alta devido a recorde em volume de vendas reportado no ano passado.

Continua após a Publicidade

A receita líquida em todos os países que a Ambev opera, Brasil, Canada e parte da América Latina, subiu 5,1% para R$ 18,9 bilhões no segundo trimestre numa comparação com igual período de 2022.

Entretanto, o lucro da gigante caiu 15,2% neste mesmo período quando comparado contra o ano anterior.


Leia mais:

Sommelier de cervejas passas a ser reconhecido no Simples Nacional


O que esperar do mercado de cerveja em 2023


A redução nos lucros da Ambev, a despeito do crescimento na receita da companhia, é explicada pela queda do volume de vendas de 2,2% quando comparada a igual período do ano de 2022, em relação as operações na América do Sul e Central e também no Canadá. Especificamente no Brasil, o recuo em vendas foi de 2,5% (2,5% em cerveja e 2,2% em não alcoólicos

Este fenômeno, de redução de lucro mesmo com aumento da receita, foi observado em outras empresas do setor de bens de consumo a nível internacional.

Cabe ressaltar que o mercado de cerveja no Brasil passou por dois anos seguidos de crescimento forte de volume de vendas, puxados principalmente pelo registro de recorde de vendas da Ambev que obteve resultados históricos ao longo deste período.

Custos da Ambev desaceleram

As pressões de custos da Ambev continuaram a desacelerar no segundo trimestre de 2023. Como o preço das commodities tem recuado, a previsão de custos para unidade de cerveja no Brasil foi reduzida.

“Em razão da inflação mais baixa e do melhor desempenho dos preços de commodities não cobertas por hedge (como cevada e energia), combinado com eficiências adicionais em nossas operações, atualmente esperamos que o CPV/hl excluindo depreciação e amortização (excluindo a venda de produtos de marketplace não-Ambev) de Cerveja Brasil aumente entre 2,5% e 5,5% no ano” declarou a companhia

Marcas premium avançam e melhoram margem, mas com volume menor

A Ambev tem se pronunciado em relação ao objetivo de obter um melhor Ebitda (Lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização. ao fim do exercício fiscal

A receita por hectolitro avançou 12,9% no segundo trimestre enquanto o custo por hectolitro excluindo depreciação e amortização cresceu apenas 6,1%, evidenciando a busca por uma melhor margem de lucratividade..

Isso tem sido alcançado com o avanço do portfólio premium e super premium, que apresentam maio valor agregado. Neste segmento se encontrão rótulos como Original, Stella Artois, Corona e Becks que ampliaram seu volume de vendas em 35% contra o mesmo período do ano anterior.

A queda em vendas registrada pela gigante ficou concentrada em rótulos de menor valor agregando mostrando que a tendência de premiumização continua resistente.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação Tecnológica pela EQ/UFRJ e analista do mercado de cervejas.