Maior cervejaria da Alemanha desiste de unidade de cervejas artesanais

Publicidade
O grupo Raderberg, maior cervejaria da Alemanha, comunicou que vai descontinuar sua unidade exclusiva para cervejas artesanais

O grupo Raderberger, líder em volume de vendas do mercado cervejeiro da Alemanha, dono de marcas como as cervejas Jever e Krostitzer, anunciou o fim de sua unidade independente para cervejas artesanais chamada de Braufactum.

Em 2010, a Radeberger lançou a Braufactum, sendo uma das pioneiras a levar algo mais próximo do conceito de movimento norte-americano de cerveja artesanal para o solo alemão. Seus concorrentes questionaram inicialmente a nova ideia. No entanto, mais tarde muitos fabricantes de cerveja alemães iniciaram projetos semelhantes.

Publicidade

Porém, o crescimento da marca, que atingiu o volume de produção de 15 mil hectolitros anuais, parece não estar atendendo as expectativas da Radeberger que decidiu descontinuar a unidade independente da Braufactum e passará toda a gestão e operação da marca para dentro da holding.

A construção de unidades independentes para a gestão da cerveja artesanal dentro de grandes grupos cervejeiros é algo comum dado as grandes diferenças de dinâmica existentes neste nicho.


Leia mais:

Brewdog revela planos de adequação de sua redebares


Canais de distribuição do mercado de cerveja estão sendo reconfigurados


Talvez um dos destaques dentre as grandes cervejarias neste tipo de iniciativa seja a ZX Ventures, unidade de inovação da AB InBev que, além de colaborar em diversos aspectos de negócio das cervejarias artesanais do conglomerado, atua em várias frentes ligadas a outras bebidas e soluções de novas tecnologias para a gigante.

No caso específico da Braufactum uma particularidade do mercado alemão parece estar associado a mudança de rumo. O negócio da cerveja artesanal no país tem se demonstrado pouco adequado para grandes projetos.

“O fato é que: apesar de todo o entusiasmo, a cerveja artesanal continua sendo um negócio de nicho que exige uma quantidade incrível de força, dedicação e recursos para impulsioná-la.  Infelizmente, devemos dizer que o segmento na Alemanha se desenvolveu muito mais moderado do que o esperado, apesar do entusiasmo inicial dos agentes de vendas e amantes da cerveja pela cerveja artesanal” declarou o diretor administrativo da Braufactum Marc Rauschmann em uma entrevista ao portal alemão Getraenke-news.

Outro projeto de grande porte para cerveja artesanal descontinuado no ano passado no país foi o da americana Stone Brewing que vendeu sua imponente e nova fábrica construída em Berlim para a Brewdog.

Cervejarias artesanais crescem na Alemanha, principalmente nos grandes centros, porém em um nível que se demonstra cada vez mais afeito a pequenos negócios, uma vez que a cultura secular alemã na cerveja, muito arraigada em regionalismos, criou cervejarias históricas de grande volume numa dinâmica que em certa extensão dificultou até mesmo a entrada de grandes grupos internacionais no pais

Soma-se a todo este cenário a redução de consumo de álcool pelas gerações alemãs mais jovens e a recente crise do novo coronavírus que como em todo mundo reduziu o avanço dos segmentos com grande dependência do setor de bares e restaurantes.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas