Última chamada: Guns n’ Roses processa cervejaria Oskar Blues; Colorado lança gôndola virtual; Black Princess expande portfólio

Publicidade
Colorado lança gondola virtual em aeroporto
Gondola virtual da Colorado no aeroporto de Congonhas em São Paulo

Com a plataforma de vendas online da Ambev, Empório da Cerveja, a Colorado transformou seu outdoor no aeroporto de Congonhas em uma gôndola virtual de bebidas. Como se estivessem em um supermercado ou qualquer outro ponto de venda fixo, os passageiros poderão comprar a Ribeirão Lager de forma online. Para isso, basta “encontrar a cerveja na gôndola”, escanear um QR Code com o celular e finalizar a compra. O produto será entregue na casa do consumidor.

Continua após a Publicidade

Leia também: Uma história ilustrada do mercado de cerveja artesanal nos Estados Unidos

Banda Guns n Roses processa cervejaria Oskar Blues

A banda de rock Guns N ‘Roses (GNR) está processando a cervejaria Oskar Blues por nomear uma de suas cervejas como Guns’ N ‘Rosé , dizendo que a alegada violação de marca registrada causou os roqueiros ” dano irreparável.”

A banda de rock liderada por Axl Rose acusou Oskar Blues Brewery em uma queixa apresentada na no tribunal federal de Los Angeles de intencionalmente negociar sua boa vontade, prestígio e fama ao confundir os consumidores em pensar que a banda estava conectada com a cerveja e pedir indenização integral.

Oskar Blues, que faz parte do Canarchy Craft Brewing Collective , está vendendo o Guns ‘N’ Rosé desde o início de 2018 em forma de barris e latas. A cerveja de cor rosada, que é fabricada com hibisco e figo, produz os sabores secos, frutados dos vinhos rosés – um estilo que ganhou popularidade no ano passado e que a grande número de cervejarias artesanais americanas já lançaram sua própria versão.

Em agosto de 2018, a Oskar Blues apresentou um pedido de registro de marca e teve um primeiro sucesso quando o Departamento Federal de Álcool e Tabaco (TTB) aprovou o rótulo da cerveja em setembro. Depois de uma conversa informal malsucedida entre os dois lados, o advogado da banda enviou uma carta de cessação e desistência para Oskar Blues e seu fundador, Dale Katechis , datado de 21 de dezembro de 2018 e protestou contra a marca da cervejaria no TTB.

“Há outros produtores de bebidas alcoólicas usando o mesmo nome, incluindo pelo menos dois vinhos Guns N ‘Rosé”, respondeu Katie Bukrinsky , advogada de Oskar Blues , especialista em propriedade intelectual e direito de marcas, em um comunicado em 22 de janeiro. A banda possuía a marca apenas para uso com roupas, gravações de som musical e apresentações musicais, não havia proteção para bebidas, argumentou Bukrinsky. “Acreditamos que a cerveja da Oskar Blues também pode coexistir sem criar qualquer risco de confusão ou diluição das marcas da GNR”, disse ela, concluindo que “confiamos que nossa resposta acima resolve esse problema”.

Leia também: Estádios do Ceará terão espaço assegurado para cervejarias artesanais locais

Em 13 de março, Mike Drumm , outro advogado especializado em direito de marcas, enviou uma carta em nome da GNR para a cervejaria, e argumentou que o nome Guns N ‘Roses é considerado ” famoso ” pela Trademark Act de 1946 e goza de mais proteção legal do que outras marcas registradas. Mais uma vez, ele exigiu que a cervejaria parasse de vender a cerveja e abandonasse seu pedido de marca.

Logo depois, Bukrinsky respondeu que “não vemos nenhuma evidência de que seu cliente tenha atingido um nível de fama para garantir as soluções extraordinárias da Lei de Revisão de Diluição de Marcas de 2006.” Ela acrescentou que “ficamos surpresos em receber [a carta] como veio quase dois meses depois da nossa resposta de 22 de janeiro. Durante esse intervalo de dois meses, meu cliente acreditava razoavelmente que nossa correspondência aliviara as preocupações do seu cliente e continuava com seus planos de lançar sua cerveja Guns N ‘Rose. ”

“Neste ponto, rebranding e reembalagem de cerveja requer tempo, esforço e despesa significativos”, continuou ela e, portanto, Oskar Blues estava disposto a abandonar seu pedido de marca e cessar definitivamente todas as vendas de cerveja Guns ‘N’ Rosé e produtos relacionados , mas não antes de 31 de março de 2020.

Na quinta-feira passada, o advogado da banda finalmente entrou com uma ação e exigiu uma indenização integral no caso

Leia também: Brewdog lança IPA 0,5 ABV e cria polêmia com ex-agência de branding

Linha especial da Black Princess expande portfólio com dois novos rótulos

A cerveja Black Princess, do Grupo Petrópolis, apresenta novidades. Para expandir a linha de produtos, que já conta com seis rótulos, a marca lança duas novas cervejas: Tião Bock e APA-82.

“Primeiro apresentamos as Black Princess Tião Bock e a Black Princess APA 82 para o público, em testes exclusivos para eventos cervejeiros nos quais a marca participou. Tivemos uma aceitação tão positiva, que não poderíamos deixar passar o momento”, explica Diego Gomes, mestre-cervejeiro e diretor industrial da marca. “Os novos estilos dão ainda mais variedade à nossa linha de cervejas, cada uma com identidade única e marcante, digna da qualidade Black Princess. São duas novas histórias pra contar”, completa.

Lançadas no início de 2018 esta linha da Black Princess tenta apelar diretamente a consumidores de cervejas artesanais, tanto na variedade de estilos quanto na linguagem de comunicação buscados na marca.

Leia também: Cervejarias ciganas do Rio investem em taproom containers

Fique online com nossas publicações. Curta nossa página no Facebook!

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação Tecnológica pela EQ/UFRJ e analista do mercado de cervejas.