Carlsberg realiza o maior teste de mercado de sua garrafa renovável de papel

Publicidade
A gigante dinamarquesa de cerveja Carlsberg iniciou um teste de mercado de larga escala de sua garrafa de papel produzida com fibras renováveis

O grupo cervejeiro dinamarquês Carlsberg está realizando um teste em larga escala com sua Fiber Bottle, uma garrafa de cerveja produzida com fibras vegetais, 100% reciclável.

O teste vai contar com 8 mil unidades de cerveja Carlsberg que serão comercializadas com a garrafa inovadora em regiões da Europa Ocidental, colocando o produto pela primeira vez nas mãos de consumidores.

Continua após a Publicidade

Com foco contínuo na evolução da tecnologia e práticas sustentáveis, a garrafa também contém cerveja fabricada com cevada orgânica e regenerativa. A Fiber Bottle foi anunciada como inovação a receber investimento da Carlsberg em 2019.

O piloto, que é vital para acelerar a ambição da Carlsberg de tornar a garrafa de cerveja uma realidade comercial e será testada em oito mercados: Dinamarca , Suécia , Noruega , Finlândia , Reino Unido , Polônia , Alemanha e França.


Leia mais:

Terra Roxa: Primeira cervejaria artesanal brasileira a utilizar anéis de lata renováveis


Grandes cervejarias devem antecipar reajuste de preço da cerveja em 2022


As garrafas serão colocadas nas mãos de consumidores locais, clientes e outras partes interessadas por meio de festivais selecionados e eventos emblemáticos, bem como amostragens direcionada de produtos. Testes nessa escala darão à Carlsberg a oportunidade de coletar feedback sobre as experiências das pessoas com o produto, o que dará subsídios para a próxima geração de design da embalagem.

Tecnologia da garrafa de papel da Carlsberg é um de seus principais diferenciais

Um marco importante para a Fiber Bottle é seu revestimento de polímero PEF à base de plantas, que foi desenvolvido pelo parceiro da Carlsberg, Avantium, empresa referência em química renovável. O PEF é feito inteiramente de matérias-primas naturais, é compatível com os sistemas de reciclagem de plástico e pode se degradar na natureza caso fique fora dos sistemas nacionais de reciclagem. 

Além de seus benefícios de embalagem sustentável, o PEF funciona como uma barreira altamente eficaz entre a cerveja e a casca externa de fibra, protegendo o sabor e a efervescência da cerveja melhor do que o plástico PET convencional à base de combustível fóssil.

A parte externa da garrafa, produzida pela empresa de embalagens Paboco, consiste em fibra de madeira de origem sustentável e também é de base biológica. Esta concha tem o benefício adicional de propriedades isolantes que podem ajudar a manter a cerveja mais fria por mais tempo, em comparação com latas ou garrafas de vidro.

“Estamos muito satisfeitos em trazer nossa nova garrafa de fibra para as mãos dos consumidores, permitindo que eles experimentem por si mesmos. Este piloto servirá a um propósito maior de testar a produção, desempenho e reciclagem deste produto em escala.” disse Stephane Munch , vice-presidente de desenvolvimento do grupo Carlsberg.

“Identificar e produzir o PEF, como uma barreira funcional competente para a cerveja, tem sido um dos nossos maiores desafios – por isso, obter bons resultados nos testes, colaborar com os fornecedores e ver as garrafas sendo enchidas na linha é uma grande conquista!”

A garrafa é 100% de base biológica, além da tampa, que atualmente é necessária para garantir a qualidade do produto, e juntas a garrafa e a tampa são totalmente recicláveis. No futuro, Paboco, Carlsberg e parceiros na comunidade mais ampla de garrafas de papel estão explorando tampas de garrafas alternativas à base de fibra, com uma solução genérica prevista para 2023.

A Carlsberg continuará o desenvolvimento, juntamente com Avantium e Paboco, para chegar a uma solução 3.0 personalizada que é igualmente adequada para embalagens primárias de cerveja, usando o feedback do consumidor deste ano e os desenvolvimentos da Paboco.

Garrafas renováveis deverão ser uma embalagem adicional para produtos da Carlsberg

A geração 2.0 da garrafa de fibra já tem um desempenho melhor do que a garrafa de vidro de uso único na avaliação do ciclo de vida do produto, e a Carlsberg tem ambições ainda maiores para o projeto subsequente da geração 3.0. A visão da Carlsberg, apoiada pelas projeções atuais, é que a Fiber Bottle alcance até 80% menos emissões do que as atuais garrafas de vidro de uso único.

Assim, para cada garrafa de vidro de uso único criada, cinco garrafas de fibra poderiam ser criadas usando a mesma pegada de carbono. Em última análise, a Carlsberg pretende que a Fiber Bottle alcance a mesma pegada baixa de carbono que a garrafa de vidro retornável, que atualmente é a embalagem primária de melhor desempenho quando coletada e reutilizada em sistemas eficientes. 

Quando a Fiber Bottle for comercializada em larga escala, ela expandirá a possibilidade de escolha dos consumidores da Carlsberg e complementará, em vez de substituir, as embalagens existentes, como garrafas e latas de vidro.

Simon Boas Hoffmeyer , Diretor de Sustentabilidade do Grupo Carlsberg, acrescenta: “O progresso feito com nossa nova Fiber Bottle é uma prova do espírito pioneiro da Carlsberg, com foco em fazer produtos melhores em todos os sentidos da palavra. projeto desde 2015, e pretendemos continuar a definir o padrão da indústria, melhorando ainda mais a pegada ambiental da garrafa e o desempenho do produto. A colaboração é fundamental e, juntamente com nossos parceiros, estamos entusiasmados em ver como a pesquisa e o desenvolvimento em soluções de embalagens sustentáveis ​​estão agora tornando-se a norma.”

O teste precede o lançamento global do ambicioso programa ESG da Carlsberg, Together Towards Zero and Beyond, que se baseará no desempenho de sustentabilidade existente e no impulso para assumir novas ambições em agricultura sustentável e embalagens sustentáveis, permitindo que a Carlsberg reduza seus impactos de carbono em todo o cadeia de valor.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação Tecnológica pela EQ/UFRJ e analista do mercado de cervejas.