Infográfico: Brasil ampliou área plantada de lúpulo em 110% em 2020

Publicidade
Produção de cervejarias artesanais no Brasil está alavancando o crescimento na plantação de lúpulo que mais que duplicou sua área plantada no país

A mudança de perfil na produção de cerveja que tem crescido gradativamente no Brasil com a incorporação de microcervejarias com produção em pequena escala no cenário nacional está alavancando diferentes indústrias adjacentes. Entre elas, provavelmente, a mais interessante é a indústria do lúpulo brasileiro.

Até poucos anos considerado de cultivo impossível no país dado a posição das terras brasileiras dentro do globo terrestre, a produção de lúpulo teve sua área plantada mais que dobrada no Brasil em se comparando o ano de 2020 com o de 2019.

Continua após a Publicidade

Os dados foram revelados pela Aprolúpulo (Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo) em publicação do UOL. A área plantada de lúpulo no país atingiu 42 ha (hectares) em 2020, equivalente a um aumento de 110% sobre o ano anterior.

A área destinada a este cultivo já corresponde a 14,6% da área destinada a plantação de lúpulo na Argentina, maior produtor da América do Sul. Entretanto, em termos de produtividade o Brasil ainda possui um caminho de crescimento a ser percorrido. A Argentina possui 1,5 t/ha enquanto o Brasil possui ainda 0,57 t/ha.


Leia mais:

Lúpulo brasileiro realiza a primeira colheita de 2021


O que esperar do mercado de cerveja em 2021


Como o Brasil é um dos maiores produtores de cerveja do mundo, estando atrás apenas de China e EUA, a demanda pela utilização de lúpulo é gigantesca e baseada quase que totalmente em importações. Apesar do grande avanço, a produção anual nacional de 2020 corresponde a apenas 0,7% do total de lúpulo importado pelo Brasil no mesmo período.

Dado as características do mercado brasileiro, até atingir um maior ponto de maturação comercial, a produção de lúpulo no país deve ficar concentrada em cervejas de maior valor agregado e lançamentos sazonais que comportam as características de preço e disponibilidade da planta produzida no país.

Num momento posterior, produtos mais sofisticados que necessitam de maior processamento após a colheita poderão ganhar espaço no mercado brasileiro, dando maior diversidade de opções de utilização do insumo.

Os dois mercados mais maduros na produção de lúpulo a nível mundial em termos de quantidade são os Estados Unidos e a Alemanha que produziram, no ano 2020, 47,5 mil toneladas e 46,9 mil toneladas, respectivamente.

A nível mundial, após os dois grandes produtores, estão uma série de países concentrados principalmente na Europa, mas há contribuição na produção global originada em todos os continentes.

Interessante perceber que mesmo que ainda estando no início de sua trajetória comercial, o lúpulo brasileiro, em termos quantitativos, já corresponde a 9% do lúpulo produzido na Argentina, o maior produtor da região.

Produção no Brasil combina produtores independentes com grandes grupos cervejeiros

No esforço para se criar um mercado de produção nacional, o lúpulo tem passado por um processo de ‘tropicalização’ das variedades, o que significa a adaptação da planta às condições de meio ambiente presentes no país e além também do desenvolvimento de técnicas que permitam a busca por uma produtividade comercial que viabilize o negócio.

O crescimento da produção brasileira de lúpulo tem recebido investimento tanto de pequenos produtores independentes quanto dos grandes grupos cervejeiros do mercado nacional, e isto está fazendo com que o cultivo da planta se distribua por diferentes regiões.

O maior número de produtores está concentrado em Santa Catarina, estado no qual a Ambev possui uma iniciativa de produção do insumo, que conta com 27% dos 109 cultivadores de lúpulo no Brasil. Em seguida, entre os seis primeiros, estão Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

O Ministério da Agricultura em outubro do ano passado, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar, iniciou um projeto de cooperação técnica junto ao Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) para identificar oportunidades, fomentar e buscar viabilizar a produção de lúpulo no Brasil.

Um dado que chama atenção e mostra o potencial do lúpulo ainda a ser explorado no Brasil é a qualidade que alguns produtores já tem atingido no país. De acordo com Stéfano Gomes Kretzer, consultor do consultor do projeto Mapa/IICA, já existem plantações no país com produtividade e qualidade competitiva com o produto importado, sendo necessário ainda um ganho de escala compatível para esses atores.

O crescimento da indústria de lúpulo a nível mundial nas últimas décadas está intimamente ligado a ascensão de cervejarias artesanais que fomentaram o aumento do número de cervejas que utilizam maior quantidade e variedade de lúpulo.

A trajetória do aumento de produção e diversificação das variedades de lúpulo que começa a ser observado no Brasil, já provocou histórias parecidas em outros países como EUA, Nova Zelândia, Austrália e África do Sul.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação Tecnológica pela EQ/UFRJ e analista do mercado de cervejas.