Mercado terá excesso de lúpulo pela primeira vez em sete anos

Publicidade
Aumento dos campos de lúpulo na última safra junto a queda de demanda por cerveja devido a pandemia leva produtores de lúpulo no mundo para crise

O mercado de produção de lúpulo ficará ‘super lupulado’ em 2020. O excesso de lúpulo – imagem que deve levar os apaixonados por cerveja ao delírio – na verdade é um grande desafio para os cultivadores da matéria-prima dedicada a cerveja.

O período de colheita de lúpulo no hemisfério norte começou e uma avaliação preliminar da Associação de Produtores Alemães de Lúpulo indica um aumento de 7,1% no primeiro relatório a safra. Isso significa um crescimento de 48,4 mil toneladas para 48,8 mil toneladas na Alemanha que é o segundo maior produtor mundial do insumo.

Publicidade

A variedade Hallertau continua sendo de longe a de maior área plantada com tamanho mais de 10 vezes maior do que a variedade Elbe-Saale, segunda colocada. A área de cultivo de lúpulo na Alemanha aumentou em 14% em 2020 resultando em 20.706 hectares.

O maior produtor mundial de lúpulo continuará sendo os Estados Unidos que supera ligeiramente a Alemanha. Os EUA terão uma área plantada de lúpulo de 23.957 hectares, um crescimento de cerca de 5% em relação a 2019, de acordo com a Hop Growers of America.


Leia mais:

O ranking das IPAs mais vendidas no primeiro semestre dos EUA em 2019


Espírito Santos ganha projeto para produção comercial de lúpulo


É esperado que os Estados Unidos tenham sua maior safra em décadas com a variedade Citra tendo maior área dedicada (19%), seguido por Columbus Tomahawk (11% ), Mosaic (9% ), Simcoe (7%), Cascade (7%) entre os cinco primeiros.

Os países que seguem Estados Unidos e Alemanha na produção de lúpulo são República Tcheca, China, Eslovênia, Polônia, Reino Unido, Austrália, Espanha e Nova Zelândia que estão distantes dos patamares de produção dos dois primeiros.

A área global para o cultivo de lúpulo cresceu para 62.644 hectares em 2020, o que se tornou um desafio para os produtores devido a queda na utilização de lúpulo neste ano em virtude da retração de consumo no volume de cerveja, um dos efeitos da pandemia do novo coronavírus.

O lúpulo tem praticamente 100% de sua utilização direcionada ao mercado de cerveja, o que torna seu cultivo uma atividade de alto risco, isto fica evidenciado no caso de quedas acentuadas no consumo da bebida.

O crescimento na última década no plantio de lúpulo pelo mundo está totalmente relacionada com a ascensão do mercado de cerveja artesanal que, apesar de um segmento pequeno comparado com o mercado total de cerveja, demanda maiores quantidades e variedades do insumo.

As decisões de plantio de uma safra para outra necessitam ser realizadas com muita antecedência para o desenvolvimento do produto agrícola e a quebra nas expectativas de consumo levarão a queda de preço em compras realizadas fora de contratos para as variedades de lúpulo mais comuns.

Em países como o Reino Unido a queda no consumo de lúpulo pode levar a inviabilidade financeira de uma parcela dos responsáveis pelo cultivo da planta, caso a produção não encontre compradores boa parte dos plantadores deverão sair do mercado de acordo com publicação do Financial Times.

A combinação do crescimento da plantação com a queda de demanda por lúpulo abrirá oportunidade para a aquisição do insumo em menores preços para compradores ao redor do mundo.

No Brasil, um importador da matéria-prima, esta oportunidade para aproveitamento de preços mais baixos pode não ser efetiva devido a subida do dólar no país que já começa a impactar os preços da cerveja no mercado nacional.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas