Blondine lança Hard Seltzer e quer entrar em mais 11 categorias

Publicidade
A Cervejaria Blondine lança linha de Hard Seltzer Verano e anuncia planejamento para entrar em mais 11 categorias de bebida em 2021

A Blondine é a mais nova cervejaria artesanal brasileira a agregar uma linha de Hard Seltzer aos produtos oferecidos pela empresa, uma tendência que têm se espalhado pelo mundo desde 2019.

As combinações de sabores do produto foram criadas depois de meses de pesquisas sobre tendências de consumo mundial, assim foram definidos os sabores com base em  características sensoriais que mais agradam o paladar dos consumidores brasileiros.  

Continua após a Publicidade

Os sabores desenvolvidos para Verano são Tangerina & Gengibre, Limão, Maçã Verde & Kiwi, Maracujá, Pêssego & Manga e Amora, Morango & Mirtilo;

O novo produto possui 4% de teor alcoólico, 90 calorias por latinha, sem adição de açúcares ou corantes artificiais, é uma bebida 100% natural, vegana, sem glúten e com baixo carboidrato. Por trás do lançamento da marca está a Blondine, cervejaria com dez anos de mercado que produz bebidas artesanais, sem adição de químicos na composição de seus produtos.


Leia mais:

Cervejaria Seasons se funde a CBCA


O que esperar do mercado de cerveja em 2021


Em artigo publicado no Estadão sobre o lançamento, o fundador da Blondine, Aloísio Xerfan, comentou que a Blondine não só entrou no mercado de Hard Seltzer como anunciou a intenção audaciosa de entrar em mais 11 categorias até o final de 2021. A cervejaria, entre inovações de produto recente, começou uma linha de cervejas maturadas em barril de madeira em 2019.

Entre os segmentos que serão alvo de investimento estão praticamente todas as tendências que tem rondado o mercado de bebidas para pequenos produtores nos últimos anos como drinques em lata, chá, cold brew (café extraído a frio) e bebidas saudáveis.

Segundo Xerfan, a Blondine enxerga sua atuação com uma potencial complementaridade a diversas bebidas devido a estrutura já construída e os canais comerciais estabelecidos, algo que a Catalisi destacou entre tendências para estratégia de cervejarias em publicações anteriores.

Voltando ao Hard Seltzer lançado pela Blondine, ele vem somar ao portfólio da empresa com uma marca dissociada dos seus produtos da categoria cerveja e o lote inicial produzido foi de 30 mil latas.

Para tirar o novo produto do papel, a Blondine investiu 300 mil reais e a meta é que o Verano atinja produção mensal de 100 mil latas que serão distribuídas em redes de varejo, bares e restaurantes.

O público alvo pensado pela Blondine para sua linha de Hard Seltzer foi de jovens adultos antenados e conscientes em levar uma vida mais leve e saudável, buscando produtos menos calóricos e que possuem ingredientes naturais. 

A embalagem, feita em alumínio, também foi pensada para despertar a temática do período mais esperado do ano. O design minimalista conta com o sol estilizado no centro da lata e desenhos das frutas, estimulando o conceito de um drink leve e refrescante para os dias quentes do verão. A marca está disponível na loja online Crazy4beer.com.br, com preço de R$ 9,95.

“Depois de muita pesquisa e estudo de mercado, criamos um produto clean label que sem dúvidas irá conquistar os brasileiros.  A Verano traz o sabor natural das frutas, é realmente inovadora e bem equilibrada para o clima do nosso país, logo estará disponível em redes de mercado, bares e restaurantes”, afirmou Aloisio Xerfan.

Mercado de Hard Seltzer no Brasil vai crescendo em oferta gradativamente

Com a entrada de Verano no mercado brasileiro, o recente segmento de Hard Seltzers no país já conta com quatro marcas: a mineira Lambe-Lambe, a paulista Jovi, a carioca Hintz (da cervejaria Three Monkeys) e a Topo Chico da multinacional Coca-Cola.

A bebida que explodiu nos últimos anos nos Estado Unidos, continuou seu crescimento vertiginoso mesmo durante a pandemia no ano passado e começou a se espalhar pelo mundo, combinando apelo a novas gerações de consumidores com o apetite de investimento dos grandes produtores de bebidas de diferentes paíeses.

Pequenos produtores também tem feito suas apostas em adentrar no mercado de seltzers e, entre eles, pequenas cervejarias que adotam diferentes táticas de integração do produto a sua estratégia de portfólio.

Os hard seltzers podem ser incluídos dentro de uma tendência maior de drinks prontos, onde a lata é utilizada como principal embalagem. Esta categoria tem ganho uma série de novas marcas no Brasil com coquetéis a base de gin, whisky, espumante e outras bebidas alcoólicas.

Chama atenção ainda a pequena participação de grandes grupos entre as marcas de Hard Seltzer presentes no Brasil, algo que certamente deve mudar nos próximos anos. Por exemplo, tanto a AB Inbev quanto a Heineken possuem marcas no segmento presentes no mercado norte-americano.

Sobre a Blondine

Fundada em 2010, a cervejaria artesanal Blondine foi premiada diversas vezes por seus rótulos que priorizam o sabor e a originalidade.  Dez anos após a sua abertura, a Blondine conquistou, além dos prêmios, sua própria fábrica, o início das exportações para os Estados Unidos e China, o lançamento do refrigerante artesanal Be Pop, a consagração da parceria com o respeitado ICB, Instituto da Cerveja Brasil. Hoje é protagonista no cenário gastronômico, sendo marca presente nas principais casas de São Paulo como A Casa do Porco, Picchi, ICI Brasserie, BrázElettrica, Dona Onça, Jacarandá, Hot Pork, Pirajá, Bio entre outros.

Receba semanalmente o melhor conteúdo sobre o mercado de cerveja

Publicidade
Publicidade

Sobre o autor

Felipe Freitas é engenheiro químico, mestre em Gestão da Inovação pela EQ/UFRJ
Sommelier e especialista em marketing de cervejas